11 de fev de 2009

A terra merecida



No fragmento do poema retirado da obra Morte e Vida Severina do escritor João Cabral de Mello Neto, Severino, retirante, na sua enfadonha caminhada rumo ao Recife, acompanha um enterro e escuta o discurso feito pelos amigos do morto ao chegarem ao cemitério. Tal discurso nos apresenta a imagem de um homem pobre, nordestino, que durante sua vida foi obrigado a trabalhar em terras alheias em condições precárias para garantir sua sobrevivência. A situação é um retrato da vida de milhares de homens pobres que têm sua mão-de-obra explorada de forma indiscriminada, além de manterem com seus senhores de terras relações de favor, mando e obediência, uma das razões para isso é o fato deles não possuírem os próprios meios à sua subsistência a fim de poderem viver de forma digna. O texto é, sobretudo, uma crítica a má distribuição de terras e denúncia das condições precárias pelas quais passam parte da população brasileira alijada de possuir um bem que todos deveriam ter acesso: a terra.


- Essa cova em que estás,

com palmos medida,

é a cota menor

que tiraste em vida.

- é de bom tamanho,

nem largo nem fundo,

é a parte que te cabe

neste latifúndio.

- Não é cova grande.

é cova medida,

é a terra que querias

ver dividida.

- é uma cova grande

para teu pouco defunto,

mas estarás mais ancho

que estavas no mundo.

- é uma cova grande

para teu defunto parco,

porém mais que no mundo

te sentirás largo.

- é uma cova grande

para tua carne pouca,

mas a terra dada

não se abre a boca.

- Viverás, e para sempre

na terra que aqui aforas:

e terás enfim tua roça.

- Aí ficarás para sempre,

livre do sol e da chuva,

criando tuas saúvas.

- Agora trabalharás

só para ti, não a meias,

como antes em terra alheia.

- Trabalharás uma terra

da qual, além de senhor,

serás homem de eito e trator.

- Trabalhando nessa terra,

tu sozinho tudo empreitas:

serás semente, adubo, colheita.

- Trabalharás numa terra

que também te abriga e te veste:

embora com o brim do Nordeste.

- Será de terra

tua derradeira camisa:

te veste, como nunca em vida.

- Será de terra

e tua melhor camisa:

te veste e ninguém cobiça.

- Terás de terra

completo agora o teu fato:

e pela primeira vez, sapato.

- Como és homem,

a terra te dará chapéu:

fosses mulher, xale ou véu.

- Tua roupa melhor

será de terra e não de fazenda:

não se rasga nem se remenda.

- Tua roupa melhor

e te ficará bem cingida:

como roupa feita à medida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário